Novo gigante dos céus inicia voos experimentais este mês

Aqui ficam as notícias que irão aparecer na página inicial do site.

Moderadores: ATC, Comandante

Regras do Fórum
Como colocar uma notícia no FSP:
TÍTULO - Colocar um título que descreva o conteúdo da notícia.
IMAGEM - Coloque o link para uma imagem pequena(200x200) ex: [imgfloat=left]http_url_da_imagem_jpg[/imgfloat].
CONTEÚDO - Coloque o conteúdo da Notícia (cerca de 400 caracteres) e se quiser coloque mais algumas imagens.

ATENÇÃO:
O máximo permitido para imagens é de 400px de largura.
Responder
fap22
Capitão
Capitão
Mensagens: 526
Registado: segunda nov 19, 2007 12:00 am

Novo gigante dos céus inicia voos experimentais este mês

Mensagem por fap22 » sexta ago 08, 2008 11:02 pm

A Airbus adiou para dia 31 deste mês o primeiro voo de teste do novo superavião de transporte militar 'A400M'. Inicialmente, os testes estavam programados para final de Julho, mas o aparelho encontra-se ainda em montagem final, na fábrica da CASA, em Sevilha. A Força Aérea Portuguesa não tem intenções de substituir os velhinhos 'C130' pelo novo e sofisticado 'Airbus'
O novo avião militar da Airbus está pronto para começar a voar no final deste mês. O A400M tem o primeiro voo experimental marcado para o dia 31 e promete revolucionar o transporte aéreo militar, quer de tropas, equipamentos militares ou operações humanitárias. O A400M quer concorrer directamente com o velhinho Hércules C130, fabricado há cerca de 40 anos pelos americanos da Lockheed Martin e utilizado actualmente nas forças aéreas de 60 países, incluindo Portugal. O grande argumento da Airbus é a versatilidade do aparelho e a autonomia, além de oferecer uma resposta rápida em situações de emergência.

A saída do aparelho da linha de montagem final, na fábrica da CASA, em Sevilha, está atrasada cerca de doze meses. A Airbus tem contornado uma série de problemas no desenvolvimento do avião, o último dos quais em Junho, quando a Airbus informou que o primeiro voo do A400M não se realizaria a 31 de Julho, como estava programado, e adiou para 31 de Agosto a apresentação oficial do modelo . E a Airbus Military, área militar da Airbus, reviu a data para a primeira entrega do A400M - primeiro semestre de 2010. A força aérea francesa será a primeira a receber o A400M, que conta até à data com uma carteira de encomendas de 192 aparelhos.

O A400M foi uma das maiores vítimas do atraso registado com o super- avião de passageiros A380, tendo sofrido um deslizamento nos prazos para a sua fabricação e o consequente acréscimo de custos. Inicialmente, a Airbus, detida pelo Grupo EADS, estimava realizar a primeira entrega durante o primeiro semestre de 2009 e colocar o aparelho em testes durante 2007, o que acabou por não se verificar. A nova reprogramação da construtora aeronáutica europeia aponta para que o A400 saia da fábrica de Sevilha, para realizar o primeiro voo, no final deste mês.

A Airbus recebeu esta semana um novo fôlego com a apresentação dos novos critérios para o fornecimento à força aérea americana- a US Air Force - de uma nova geração de aviões de abastecimento. Para a Airbus significa entrar no mercado dos directos rivais Boeing e Lockheed.

A Airbus Military perspectiva vender 400 unidades do modelo A400M, nos próximos 20 anos. O A400M nasceu da necessidade por parte da Força Aérea de oito países de uma nova geração de aviões militares de grande porte. Em Maio de 2003, foi assinado um contrato entre a Airbus Military e a OCCAR (organização conjunta de cooperação em matéria armada), representando a Bélgica, França, Alemanha, Luxemburgo, Espanha, Turquia e Reino Unido, firmando no conjunto uma encomenda para 180 aparelhos. Em Abril de 2005, juntaram-se ao grupo a África do Sul e a Malásia, com pedidos para mais 12 aviões. Fixando em 192 os pedidos do A400M. A Força Aérea Portuguesa não tem prevista a substituição dos três C130H30 que tem ao serviço, apurou o DN junto da FAP. Para a Airbus, o A400M será o avião de carga do século XXI, que irá revolucionar as operações estratégicas e missões tácticas. A possibilidade de o aparelho poder aterrar em pistas de terra batida é um argumento de peso, a que se juntam os motores da nova geração Airbus.

Dn


Responder