Airbus e Boeing podem ficar com 200 aviões em "stock&am

Aqui ficam as notícias que irão aparecer na página inicial do site.

Moderadores: ATC, Comandante

Regras do Fórum
Como colocar uma notícia no FSP:
TÍTULO - Colocar um título que descreva o conteúdo da notícia.
IMAGEM - Coloque o link para uma imagem pequena(200x200) ex: [imgfloat=left]http_url_da_imagem_jpg[/imgfloat].
CONTEÚDO - Coloque o conteúdo da Notícia (cerca de 400 caracteres) e se quiser coloque mais algumas imagens.

ATENÇÃO:
O máximo permitido para imagens é de 400px de largura.
Responder
melo
Oficial Sénior
Oficial Sénior
Mensagens: 278
Registado: segunda nov 12, 2007 12:00 am

Airbus e Boeing podem ficar com 200 aviões em "stock&am

Mensagem por melo » sábado nov 08, 2008 11:56 pm

A Airbus e a Boeing podem não conseguir vender cerca de 200 aviões, durante o próximo ano, já que as companhias aéreas não têm dinheiro para os comprar devido à actual crise económica e financeira.

“Há falta de fundos e não sabemos ao certo de onde poderá vir o dinheiro”, afirmou Eddy Pieniazek, director da Ascend, empresa que analisa o mercado aéreo. “Se o dinheiro não chegar podemos ter 200 aviões estacionados no deserto”, alertou o mesmo responsável.

Os bancos cortaram as linhas de crédito às companhias aéreas devido à crise financeira. Esta situação pode criar um “gap” de fundos de 20 mil milhões de dólares na Airbus e na Boeing, que pode chegar aos 65 mil milhões de dólares em 2009, de acordo com as previsões da JP Morgan Securities.

“Neste momento, a liquidez é quase zero”, alertou Vicente Alava-Pons, director regional do DVB Group Merchant Bank. “Vai demorar muito tempo até os bancos voltarem a emprestar devido à previsão de mais amortizações de activos”, acrescentou Alava-Pons.

A maior companhia aérea da Indonésia, a Garuda, está a procurar de financiamento para poder pagar 14 dos 25 Boeing 737 que encomendou.

A maior companhia de Hong Kong já revelou que os resultados de 2008 vão ser “desapontantes” e a Air France-KLM anunciou que vai ser muito difícil atingir os “targets” anuais.


Responder