Pista da Base das Lajes poderá ser risco para a aviação civi

Aqui ficam as notícias que irão aparecer na página inicial do site.

Moderadores: ATC, Comandante

Regras do Fórum
Como colocar uma notícia no FSP:
TÍTULO - Colocar um título que descreva o conteúdo da notícia.
IMAGEM - Coloque o link para uma imagem pequena(200x200) ex: [imgfloat=left]http_url_da_imagem_jpg[/imgfloat].
CONTEÚDO - Coloque o conteúdo da Notícia (cerca de 400 caracteres) e se quiser coloque mais algumas imagens.

ATENÇÃO:
O máximo permitido para imagens é de 400px de largura.
Responder
fap22
Capitão
Capitão
Mensagens: 526
Registado: segunda nov 19, 2007 12:00 am

Pista da Base das Lajes poderá ser risco para a aviação civi

Mensagem por fap22 » domingo jan 25, 2009 12:24 am

Quem levanta a questão são os deputados do PSD eleitos pelos Açores, Mota Amaral e Joaquim Ponte, que colocaram esta e outras questões em cima da mesa, ao escrever uma carta ao Ministro da Defesa Nacional.

Face à “necessidade urgente de reasfaltagem da pista da Base das Lajes que se encontra em avançado estado de degradação”, os deputados da Assembleia da República decidiram interpelar o Ministro da Defesa Nacional, Nuno Severiano Teixeira, quanto às suas opiniões na matéria.
De acordo com os deputados do PSD, o assunto já foi abordado na última reunião da comissão bilateral, sendo que o plano Norte Americano para a reasfaltagem já se encontra definido.
Mota Amaral e Joaquim Ponte referem que o representante açoriano na comissão bilateral reconhece a urgência da obra, confirmando a apresentação do projecto, sendo que no seu entendimento, Portugal deve co-financiar os custos, estimados em 20 milhões de dólares. O mesmo representante manifesta-se favorável à repartição dos custos da empreitada e não exclui mesmo a possibilidade de os Açores contribuírem, também, com uma parte da despesa a realizar.
Os deputados levantam ainda outras questões como a segurança da pista, que opera também para o sector civil, a duração e a época das referidas obras, para que se tenha em conta o pico de afluência à ilha, ou seja, o verão. Este último factor ganha particular relevância, se considerarmos as notícias que têm surgido acerca da “débil economia terceirense”, afirmam Mota Amaral e Joaquim Ponte.


JornalDiario


Responder