OpenSkies quer liberalizar voos EUA-Europa

Aqui ficam as notícias que irão aparecer na página inicial do site.

Moderadores: ATC, Comandante

Regras do Fórum
Como colocar uma notícia no FSP:
TÍTULO - Colocar um título que descreva o conteúdo da notícia.
IMAGEM - Coloque o link para uma imagem pequena(200x200) ex: [imgfloat=left]http_url_da_imagem_jpg[/imgfloat].
CONTEÚDO - Coloque o conteúdo da Notícia (cerca de 400 caracteres) e se quiser coloque mais algumas imagens.

ATENÇÃO:
O máximo permitido para imagens é de 400px de largura.
Responder
fap22
Capitão
Capitão
Mensagens: 526
Registado: segunda nov 19, 2007 12:00 am

OpenSkies quer liberalizar voos EUA-Europa

Mensagem por fap22 » segunda jan 21, 2008 2:26 pm

A nova companhia aérea OpenSkies, subsidiária da British Airways, inicia, em Junho, ligações diárias de Nova Iorque a Bruxelas ou Paris (Charles de Gaulle) e quer, até fim de 2009, ter seis Boeing 757 a sobrevoar o Atlântico. O nome da transportadora (traduzindo: CéusAbertos) "celebra o primeiro grande passo nos últimos 60 anos" para liberalizar o mercado da aviação entre qualquer destino dos EUA e a Europa.


A OpenSkies, inicialmente designada Project Lauren, ainda não divulgou mais rotas transatlânticas, mas os internautas insistem em voos para as cidades de San Francisco, Glasgow, Torino, Amesterdão e Madrid serem integradas no pacote.

Cada Boeing leva 82 pessoas nas classes económica, económica superior e business, cujos 24 lugares se podem converter em camas totalmente horizontais de 1,82 metros. Pequenas asas adaptadas à estrutura da aeronave permitirão reduzir o combustível, as emissões de dióxido de carbono e aumentar a autonomia operacional, referiu o director Dale Moss.

Entretanto, a British Airways, maior companhia aérea do Reino Unido e terceira na Europa, reintroduziu a 7 de Janeiro a permissão de transportar duas bagagens de mão aos passageiros que voem de/para Londres (Heathrow) - onde ontem um avião seu aterrou de emergência -, Aberdeen, Edimburgo, Glasgow, Manchester e Newcastle. Os utentes queixavam-se da restrição ter "sérios inconvenientes" e "não trazer mais-valias na segurança#.


Responder