Acidente do aeródromo volta a tribunal

Aqui ficam as notícias que irão aparecer na página inicial do site.

Moderadores: ATC, Comandante

Regras do Fórum
Como colocar uma notícia no FSP:
TÍTULO - Colocar um título que descreva o conteúdo da notícia.
IMAGEM - Coloque o link para uma imagem pequena(200x200) ex: [imgfloat=left]http_url_da_imagem_jpg[/imgfloat].
CONTEÚDO - Coloque o conteúdo da Notícia (cerca de 400 caracteres) e se quiser coloque mais algumas imagens.

ATENÇÃO:
O máximo permitido para imagens é de 400px de largura.
Responder
fap22
Capitão
Capitão
Mensagens: 526
Registado: segunda nov 19, 2007 12:00 am

Acidente do aeródromo volta a tribunal

Mensagem por fap22 » sexta fev 08, 2008 4:48 pm

pais do condutor do automóvel envolvido na colisão com avioneta pediram reabertura processo

Está marcado para a próximo dia 9 de Abril, no Tribunal de Espinho, a realização do debate instrutório relativo ao processo das mortes no aeródromo de Paramos. A reabertura do processo tem por objectivo determinar se existiu ou não nexo de causalidade entre as condições da pista do aeródromo de Paramos e a colisão de uma avioneta e um automóvel ocorrida em 26 de Junho de 2005. O processo decorrente do acidente, inicialmente arquivado pelo Ministério Público e reaberto pelos pais do condutor do automóvel, Geoffrey Fernandes, tem como arguidos o presidente da Câmara de Espinho, José Mota, o vereador Manuel Rocha, que na altura do acidente era responsável pelo pelouro dos Transportes e Comunicações, o presidente do Aeroclube da Costa Verde, concessionário do aeródromo, Jorge Pinhal, e Luís Filipe Coimbra, actualmente administrador do INAC – Instituto Nacional de Aviação Civil.
Segundo dados avançados pelo Jornal de Notícias da passada sexta-feira,
o debate instrutório estava previsto para a passada quinta-feira, 31 de Janeiro, mas foi adiado porque falta inquirir, a pedido dos assistentes, o comandante Francisco Martins, que, em 1998, terá feito um relatório acerca das condições da pista. Segundo a advogada de defesa, o comandante Francisco Martins terá nesse mesmo ano recusado fazer um curso de pilotagem no aeródromo de Paramos por considerar que a pista não dispunha de condições de segurança suficientes.
Recorde-se que o processo foi reaberto pela família de Geoffrey Fernandes, que argumentou que o caso denota indícios de crime por violação de cautelas e condições no local ou até mesmo de homicídio por negligência por conduta omissiva.
Segundo declarações prestadas ao JN, a família de uma das vítimas teme que o processo não tenha resolução devido à visibilidade pública dos nomes envolvidos no processo.


Responder